Número total de visualizações de página

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Seguradoras pagaram em 8 anos 320 milhões de euros por sinistros graves devido a clima

As companhias seguradoras registaram anualmente um sinistro grave relacionado com o clima desde 2006, o que levou ao pagamento de 320 milhões de euros a 65 mil segurados, revelou hoje o presidente da Associação Portuguesa de Seguradores (APS). 




Entre 2006 e 2014, "tivemos um sinistro grave por ano, portanto temos oito sinistros graves neste período", incluindo os temporais deste ano, disse à agência Lusa Pedro Seixas Vale.
"Indemnizamos, por virtude destes oito sinistros, 65 mil segurados, [devido] a tempestades, tornados, inundações ou outros fenómenos meteorológicos e climáticos e foram pagos cerca de 320 milhões de euros" pelas seguradoras, avançou o responsável.

Pedro Seixas Vale falava a propósito da apresentação dos resultados do projeto "Cartas de Inundações e de Risco em Cenários de Alterações Climáticas" (CIRAC), que hoje decorre em Lisboa, um trabalho pedido pela APS e que resultou no primeiro mapa de vulnerabilidade do país, detetada principalmente em zonas costeiras, mas também em vales ou áreas baixas. 
O estudo, coordenado pelo especialista em alterações climáticas Filipe Duarte Santos, juntamente com Pedro Garrett Lopes, avaliou o risco de inundações em Portugal continental, com uma análise mais detalhada em cinco locais selecionados com base na informação existente sobre danos causados e densidade demográfica: baixa do Porto, Gaia, Coimbra, baixa de Lisboa e Algés.

O presidente da APS disse que os fenómenos de catástrofes naturais estão a ter uma incidência maior em Portugal, tal como tem subido o número de indemnizações relativamente a casos como a tempestade da Madeira, os eventos no Oeste ou os tornados no centro do país e no Algarve.
Recordou que muitas pessoas e instituições não têm seguros, por isso, os prejuízos resultantes destes eventos naturais deverão ter sido "muito mais elevados".

Nos anos anteriores a 2006, "não se verificava tanto" este tipo de situações, o que levou os seguradores a pedir o estudo à Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. 
Muitos dos dados que "aplicamos para gerir estes riscos são-nos dados pela comunidade científica e esta tem evoluído muito os seus conhecimentos nos últimos anos, pensamos que era o momento de fazer uma atualização dos nossos conhecimentos até porque estavamos a sentir que alguma coisa estava a mudar", justificou Pedro Seixas Vale.


Artigo retirado do DN Economia de 06/05/2014

Sem comentários:

Enviar um comentário