Número total de visualizações de página

sábado, 30 de maio de 2015

Seis em cada dez crianças entre os 6 e 10 anos deixam de utilizar os bancos elevatórios antes do tempo



A Fundação MAPFRE apresentou recentemente as conclusões sobre o estudo “Bancos elevatórios no automóvel. Até quando os podemos utilizar?”, com o objetivo de fazer um balanço dos conhecimentos que os pais têm sobre a necessidade dos seus filhos mais velhos continuarem a utilizar cadeiras de criança ou assentos mais altos. Além disso, seis em cada dez crianças com idades compreendidas entre os seis e os dez anos deixam de utilizar bancos elevatórios antes do tempo, de acordo com o relatório.

Neste estudo ficamos a saber que as crianças com essas idades estão expostas a um risco maior do que outros grupos etários quando viajam como ocupantes, sendo a sua taxa de mortalidade por milhão de habitantes (5,2) o mais alto de todos os grupos de idade. Os pais deixam de utilizar os sistemas de retenção específicos a favor dos cintos de segurança para adultos, que não se encaixam no corpo das crianças e reduzem assim a sua eficácia na hora de evitar/prevenir lesões.

Assim, a principal conclusão deste estudo é o desconhecimento que ainda existe sobre a utilização adequada dos sistemas de retenção infantil, pelo que é necessário melhorar os conhecimentos dos pais sobre a necessidade das crianças mais velhas continuarem a utilizar cadeiras de criança ou bancos elevatórios até aos 12 anos ou até que tenham mais de 1,35m. E, ainda assim, é preciso assegurar que o cinto de segurança se ajuste com toda a segurança no corpo da criança.

Neste relatório, explica-se que, para saber se um cinto de segurança se ajusta adequadamente, a faixa inferior do cinto tem que passar sobre os ossos da pélvis e não sobre o estômago da criança; a parte superior do cinto tem que passar por cima da zona do esterno e clavícula, sem ser demasiado perto do pescoço; e que a criança se pode sentar dobrando confortavelmente as pernas, de forma a não “escorregar" para a frente.

Saiba mais sobre este tema no site Segurança Rodoviária Infantil da Fundação MAPFRE, lançado recentemente em Portugal. 


Notícia retirada da NEWSLETTER N.º344 de 28 Maio 2015, da Mapfre Seguros

Sem comentários:

Enviar um comentário